Bio

João Farinha

O fado está-lhe no sangue. Coimbra corre-lhe nas veias. O encontro aconteceu cedo, muito cedo e por via familiar. Com o pai, João Farinha entrou, menino ainda, no mundo fascinante do fado de Coimbra, privando com alguns dos nomes maiores da canção coimbrã da segunda metade do século XX. Foi um amor que ficou, para a vida, e que voltou a acender-se numa centelha luminosa e perene assim que vestiu o traje negro de estudante da mais antiga universidade portuguesa.

Soube, então, que o fado lhe havia de moldar o futuro, numa certeza com um quê de premonitório: anos mais tarde, depois de uma espécie de experiência iniciática a passar obrigatoriamente pelos corredores da Associação Académica de Coimbra (AAC), nos anos desafiadores que se seguiram ao restaurar das tradições académicas, e da aprendizagem marcada pelo Conservatório de Música de Coimbra, pela batuta do maestro Virgílio Caseiro e pelo coro masculino da Secção de Fado da AAC - Schola Cantorum, João Farinha há de ser um dos artistas na criação do projeto Fado Ao Centro, o grupo que hoje se afirma pela defesa e promoção do fado de Coimbra, dentro e fora de fronteiras, como nunca antes tinha acontecido.

Em nome coletivo - Fado ao Centro (2011), no trio "original" do projeto, João Farinha, Luís Barroso e Luís Carlos -, ou em nome individual, João Farinha - que entretanto tinha fundado, com João Monteiro e Pedro Cunha o grupo de fado ÆMINIUM (1998), mas também o Grupo Coimbra Ensemble (2005) e cantado no Coro dos Antigos Orfeonistas da Universidade de Coimbra (2006) - prossegue o caminho que escolheu: o da criação e da interpretação, percorrendo novos caminhos e desbravando territórios inexplorados para o fado de Coimbra.

João Farinha, cantor e compositor de corpo inteiro, assume a paixão sem limites pelo fado de Coimbra e a singularidade de lhe evocar as raízes, levando-as mais longe e fazendo com que germinem num tempo que é novo e pleno de desafios. Presente em mais de uma dezena de títulos discográficos, as composições originais do artista, já se fizeram ouvir nos palcos do mundo, do Brasil ao Japão, passando pelo Canadá, Estados Unidos da América, Espanha, França, Itália, Alemanha, Bélgica, Holanda, Suíça, Estónia, Letónia, Eslováquia, Áustria, Polónia, Rússia, Marrocos, Cabo Verde, Hong Kong, Macau ou Vietname...